quinta-feira, 21 de fevereiro de 2013

Eu, o mundo

O mundo não se importa com o meu sofrimento.
De que interessa se estou de luzes apagadas?
De que importa ao mundo que eu esteja aqui trancado?
De que vale saber que estou com o nariz impregnado desse mau cheiro?

O mundo não se importa com isso.
O mundo é tão maior que isso…

Meu sofrimento não comove o mundo,
porque agora mesmo alguém festeja.
Agora mesmo namorados se protegem.
Nesse exato momento alguém sofre mais que eu.

De que importa ao mundo o meu sofrimento?

Não iremos longe.
Meus vizinhos também sofrem no escuro.
O escuro também sofre com a luz dessa tela estúpida.
E a luz, que sofre por nascer e não ter onde refletir,
falecendo?

Não quero escrever meu drama.
Definitivamente não quero escrever meu drama.
A escrita é doença.
É a doença da esperança.
E a esperança é a doença dos covardes.
Não quero escrever meu drama.

De que importa se sofro?
De nada importa.

Rimbaud foi perfeito.
(A velha idolatria a Rimbaud.)
Soube escrever a plenitude
e foi além
quando desistiu da escrita.
Rimbaud deixou de escrever seu drama.

De que adianta?
De que importa?!

O mundo é tão maior que o ego ferido do poeta…
Ao mundo, definitivamente não importa que eu esteja no escuro.
Se importasse, o mundo acenderia minha luz, curaria minha dor, me escreveria esse poema.
Mas tudo isso depende de mim.
E hoje eu sou tão maior que o mundo.


3 comentários:

  1. Não sei quem é que faz seu mundo, mas do lado de cá, tem gente que se importa. Talvez não seja um mundo inteiro, mas ainda assim, se importa.
    B.

    ResponderExcluir
  2. Eu acho, sinceramente, que não é o mundo que não se importa com você. Você que foge do mundo.

    Eu me importo com você, mas do que adianta, se você não se importa que eu me importe?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir